Digital clock

domingo, 3 de maio de 2009

Ás mães do coração



Mulher,


Não importa se teu ventre


não abrigou por uns meses


semente de amor viril.


Não importa se teus seios


não alimentaram da seiva


o filho que não pariu.


Tu és mãe pelo instinto


que contigo foi gerado


aquecendo do intenso frio


corações abandonados:


Os filhos fora do ninho


Os filhos de outras crias


Os filhos que te escolheram


Os filhos que já partiram.

Por isto estas flores em versos

receba-as com grande emoção

pela grandeza de teus gestos

e as bençãos da tua missão.






* Este poema eu dedico a duas tias que abraçam-nos por tanto tempo como mães do coração: Conceição e Mariza.



02/05/09

Um comentário:

  1. foi linda demais, acho que todas merecem essa homenagem, mesmo as que não são mães de ventre.beijos

    ResponderExcluir

Viagem...(João Aquino e PC Pinheiro)

Viagem...(João Aquino e PC Pinheiro)
Oh! tristeza me desculpe, estou de malas prontas,hj a poesia veio ao meu encontro já raiou o dia, vamos viajar...
Ocorreu um erro neste gadget

Arquivo do blog

Adorei sua visita!

Deixe seu comentário.Ele é muito importante pra mim. Cris Figueira*

"Espero no seu tocar a sutileza das asas da borboleta."(Cris)

Seguidores